26 março, 2008

Notem

Ministério das Relações Exteriores

Assessoria de Imprensa do Gabinete
Palácio Itamaraty
Térreo
Brasília - DF
CEP: 70170-900
Telefones: 0(xx) 61-3411-6160/2/3
Fax: 0(xx) 61-3411-8002
E-mail: imprensa@mre.gov.br


Nota nº 137 - 24/03/2008
Distribuição 22 e 23

Situação no Tibete

O Governo brasileiro deplora os acontecimentos na Região Autônoma do Tibete, que acarretaram a perda de vidas humanas.
Ao recordar seu tradicional apoio à integridade territorial da República Popular da China, o Governo brasileiro manifesta a firme expectativa de que se exerça autocontenção, de modo a possibilitar uma solução duradoura que favoreça a paz e o entendimento na Região Autônoma do Tibete, com pleno respeito às diferenças culturais e religiosas.

25 março, 2008

Vestibular 2009

Cursinho comunitário
dos alunos da Puc-SP.

Informações: 3670-8340.

24 março, 2008

Cinemão

Sessão dupla neste final de semana que passou. Culpa do Gemini e sua ótima programação, ainda com preços convidativos (R$ 4,00 comprando antecipado!). E é um cinema antigo com um clima todo retrô, com direito a um docinho grátis e uma máquina de café expresso self-service que pode ser apanhado depositando um real. A sala 1 é toda azul e a sala 2 é vermelha, com carpetes e poltronas combinando. Ah, e a tela é grande, muito grande. Fico muito feliz quando abro o jornal e vejo a segunte relação de filmes:
Gemini 1
Filme em exibição: 4 Meses, 3 Semanas e 2 Dias
Horários: 14h.

Filme em exibição: Juno
Horários: 16h e 19h40.

Filme em exibição: A Culpa é do Fidel
Horários: 17h50.

Filme em exibição: A Vida dos Outros
Horários: 21h20.


Gemini 2
Filme em exibição: O Som do Coração
Horários: 13h30.

Filme em exibição: Senhores do Crime
Horários: 15h30.

Filme em exibição: O Orfanato
Horários: 17h20.

Filme em exibição: Sicko - $O$ Saúde
Horários: 19h10.

Filme em exibição: Piaf - Um Hino de Amor
Horários: 21h30.

23 março, 2008

19 março, 2008

Prancheta

Posso falar com você um minutinho?
não, obrigado.
mas senhor...
desculpe, estou atrasado!

preciso entrevistar alguém
já é quase meio-dia
não atingi minha cota
está quente hoje, não?

preciso correr
meu despertador não tocou
ou foi o trânsito que parou
não. Foi meu filho que adoeceu

então, largou a prancheta no chão
e pegou-o pelo braço
olhou para cima, como quem diz que
para ele o sinal estava fechado.

Os inatingíveis

Só gostaria de fazer mais uma citação (última) do livro “O Povo Brasileiro”, do Darcy Ribeiro em que ele analisa a urbanização, chegando até a me surpreender.

“Ultimamente, a coisa se tornou mais complexa porque as instituições tradicionais estão perdendo todo o seu poder de controle e de doutrinação. A escola não ensina, a igreja não catequiza, os partido não politizam. O que opera é um monstruoso sistema de comunicação de massa fazendo a cabeça das pessoas. Impondo-lhes padrões de consumo inatingíveis, desejabilidades inalcançáveis, aprofundando mais a marginalidade dessas populações e seu pendor à violência. Algo tem que ver a violência desencadeada nas ruas com o abandono dessa população entregue ao bombardeio de um rádio e de uma televisão social e moralmente irresponsáveis, para as quais é bom o que mais vende, refrigerantes ou sabonetes, sem se preocupar com desarranjo mental e moral que provocam.”

18 março, 2008

Loteamento Gaivotas III no Saresp 2007

A escola E. E. Loteamento Gaivotas III está situada na região do Grajaú. É onde estou lecionando e por ser professor contratado, dificilmente estou na mesma escola por dois anos consecutivos. Isto tem reflexos na aprendizagem, principalmente nas escolas distantes onde não existem, ou são poucos, os professores efetivos. Tanto nas matérias básicas como Língua Portuguesa e Matemática, como nas “minhas” matérias: História e Geografia. Semana passada, não sei se de brincadeira ou não, meus alunos do 2º. ano do ensino médio da E. E. Afrânio de Oliveira não tinham a mínima idéia de quem eram Tiradentes, Getúlio Vargas e D. Pedro I (descobriu o Brasil, disse um).

Veja a avaliação abaixo feita pelo Saresp e perceba o seguinte: o média geral vai caindo até abaixo do básico em Língua Portuguesa a cada nível de avaliação e em Matemática a coisa piora.

Podemos ter certeza de uma coisa. Esta estrutura educacional e pedagógica (onde fazem parte: Secretaria da Educação, escola, professores, alunos, comunidade) não funciona, a prova está aí.

http://saresp.edunet.sp.gov.br/2007/

17 março, 2008

Super Super

Já está disponível para dowload todo o acervo da revista Superinteressante em comemoração aos seus 20 anos de publicações. Para testar digitei "jazz", veja o que apareceu:

O sopro do jazz
A evolução do gênero musical, criado nos EUA.

Mais que um gênero musical, o jazz é um dos fenômenos culturais mais expressivos do século 20. Foi criado nos Estados Unidos por descendentes dos negros escravizados, misturando influências africanas e européias. Hoje é tocado no mundo todo, com inúmeros sotaques locais. Acompanhando a evolução do jazz nestas páginas, você vai encontrar indicações das melhores e mais representativas obras de cada fase, mesmo que tenham sido gravadas anos depois.
Raízes
Work Songs - Canções de trabalho de origem africana criadas pelos escravos
Blues - Forma musical de ascendência africana que serviu de base a toda a música negra norte-americana
Spirituals - Canções e hinos religiosos de origem africana
Ragtime - Música para piano típica do final do século 19, que misturava influências eruditas e ritmos negros
1900 - New Orleans
Conhecida como "berço do jazz", a cidade de New Orleans batizouo estilo pioneiro. As primeiras bandas de jazz tinham seção rítmica e um trio de solistas (cornet, clarineta e trombone). Os improvisos ainda eram simples enfeites melódicos
Louis Armstrong - Hot Fives (1926)
King Oliver - Louis Armstrong/King Oliver (1924)
Sidney Bechet - The Chronological Sidney Bechet (1936)
Jelly Roll Morton - Jelly Roll Morton (1926)
Anos 10 e 20 - Dixieland chicago
Se New Orleans foi a primeira capital do jazz, Chicago tornou-se a segunda. Músicos brancos também aderiram ao novo gênero, forjando dois subestilos. Educados na tradição erudita, os adeptos do dixieland e do chicago tocavam um jazz mais técnico, mas ainda bem próximo do new orleans
Original Dixieland Jazz Band - The 75th Anniversary (1921)
Bix Beiderbecke - Singin´ the Blues (1927)
Anos 30 - Swing
O final dos anos 20 deflagrou a era das big bands. As orquestras do swing tomaram os salões de dança e as rádios com um repertório mais centrado em canções. Os vocais dos crooners tinham destaque, mas também havia espaço para os solos dos instrumentistas. Há quem veja no swing uma representação do ideal de poderio econômico dos EUA
Duke Ellington - Early Ellington (1931)
Count Basie - April in Paris (1956)
Benny Goodman - The Birth of Swing (1936)
Lester Young - Master Takes (1949)
Anos 40 - Bebop
O primeiro estilo moderno do jazz surge em Nova York. Nas madrugadas, após o expediente nas big bands, os músicos se reuniam em jams, sessões informais para improvisar. Centrado em pequenos grupos (os combos), o bebop trouxe melodias mais assimétricas, harmonias mais dissonantes e improvisos mais livres
Charlie Parker - Charlie Parker Story (1947)
Dizzy Gillespie - Shaw Nuff (1946)
Thelonious Monk - Brilliant Corners (1956)
Bud Powell - The Amazing Bud Powell (1951)
Início dos anos 50 - Cool West Coast Third Stream
Uma profusão de estilos aparece aqui. Mais cerebral, o cool surge como uma resposta meio erudita ao bebop. Tocado por músicos da costa oeste americana, também ficou conhecido por west coast. A third stream propunha uma fusão do jazz e da música de concerto
Gerry Mulligan - What is There to Say (1959)
Chet Baker - Italian Sessions (1962)
Dave Brubeck - Time Out (1959)
Fim dos anos 50 - Hard Bop Funky
Músicos de Nova York reagem ao classicismo do cool e do west coast. Chegam ao hard bop, um bebop mais envolvente e de alto nível técnico. O pianista Horace Silver desenvolve o funky, um modo mais emotivo de tocar o blues, com forte influência do gospel
Miles Davis - Kind of Blue (1959)
Art Blakey - Moanin´ (1958)
Horace Silver - Finger Poppin´ (1959)
Sonny Rollins - A Night at the Village Vanguard (1957)
Charlie Mingus - Mingus Ah Um (1959)
Bill Evans - Waltz for Debby (1961)
Anos 60 - Free Vanguarda Bossa Nova
Os movimentos libertários dessa década inspiraram o estilo que rompeu com toda a tradição do jazz. O free (ou avant-garde) investiu contra o tonalismo e explodiu a regularidade do ritmo. A intensidade ao tocar era tamanha que os músicos atingiam uma espécie de catarse. Por outro lado, a bossa nova inscreveu o samba entre as fusões latinas do jazz
John Coltrane - A Love Supreme (1964)
Ornette Coleman - Free Jazz (1960)
Stan Getz - Jazz Samba (1962)
Anos 70 - Jazz Rock Fusion
A expansão do rock e do pop, nos anos 60, levou à inevitável fusão desses gêneros com o jazz. Miles Davis atuou como o grande catalisador dessa mistura com seu disco Bitches Brew, de 1969. Mesmo assim, a década de 70 foi marcada pela diversidade de estilos praticados
Herbie Hancock - Headhunters (1973)
Chick Corea - Light as a Feather (1972)
Mahavishnu Orchestra - Birds of Fire (1972)
Anos 80 - Neobop M-base
O ecletismo se fortaleceu mais na cena do jazz. Não houve um estilo predominante, mas uma geração de músicos jovens, liderada por Wynton Marsalis, despertou um novo interesse pelo jazz clássico dos anos 50. Já a M-Base de Steve Coleman e outros de Nova York propôs inovadoras fusões de free, funk, bebop, rap e hip hop
Wynton Marsalis - Black Codes (1985)
Steve Coleman - Strata Institute Cypher Syntax (1986)
Pat Metheny - Question and Answer (1989)
Anos 90 e 2000 - Acid Jazz Jazz-Rap smooth Jazz
Um maior interesse pelo jazz incentivou o smooth jazz, derivação da fusion calcada em misturas com o rhythm'n'blues e o funk. O acid jazz e o jazz-rap provam que o gênero continua aberto a fusões
Joe Lovano - From the Soul (1991)
Dave Douglas - Charms of the Night Sky (1997)
John Scofield - A Go Go (1997)
Dave Holland - Points of View (1997)
Jason Moran - Modernistic (2002)

13 março, 2008

Sete anos depois de ter sua existência questionada pela Câmara Municipal de São Paulo, o TCM (Tribunal de Contas do Município) conseguiu ontem, da própria Câmara, a autorização para ampliar seu quadro de funcionários sem concurso e, ainda, a voltar com o pagamento de supersalários.
Por 29 votos contra seis, a Câmara aprovou o projeto de lei que autoriza a criação de 28 novos cargos de confiança, com salário-base de até R$ 8.500, que se juntarão aos 124 atuais (total 152). Somados aos 514 concursados, o tribunal chegará a 666 cargos, uma média de 128 funcionários para cada um dos cinco conselheiros.
Ainda pela legislação aprovada, todos esses funcionários passarão a ter direito de acumular gratificações em seus salários, que poderão --outra mudança aprovada ontem-- ultrapassar até o teto constitucional, que são os R$ 9.636 do salário do prefeito municipal.
Em 2001, uma CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) sugeriu a extinção do TCM após encontrar uma série de irregularidades: supersalários, nepotismo, falta de transparência com gastos nebulosos.
( ) um funcionário sem concurso trabalha muito mais e por isso merece ganhar um salário inconstitucional.
( ) os vereadores perceberam a importância que o Tribunal de Contas do Município tem para a cidade.
( ) os 29 vereadores que criaram 28 cargos (opa! faltou um...) estão desconfiados que o TCM quer investigá-los, dando-lhes um "cala a boca".
( ) o TCM estão desconfiados de que os vereadores querem aumentar seus próprios salários. Isto é, estavam...
( ) Gilberto Kassab (DEM), irá defender a população de mais uma maracutaia tropical e vai bater de frente com o orgão que analisa contas e julga contratos e licitações do Executivo. Não irá sancionar o projeto.

12 março, 2008

Independência ou Mor...daça

O Ministério da Cultura chinês anunciou na última sexta-feira que vai endurecer os controles sobre cantores e outros artistas estrangeiros, depois de Björk declamar "Tibet! Tibet!" em seguida a sua canção "Declare Independence".

Björk dedica canção ao Kosovo e concerto na Sérvia é cancelado. Razão invocada: "incapacidade para garantir a segurança da cantora caso o público se revelasse hostil".

11 março, 2008

I N T E R P O L

Tipo assim

Os espanhóis mantêm um estereótipo de que os brasileiros ou são do mundo do espetáculo (profissionais de capoeira ou samba) ou da prostituição. "Depois de um tempo, convencidos de que eu era diferente, arrumaram uma maneira de me 'espanholar'. Eu passei a ser 'Dalba' e não 'Dalva'; 'Alexio' e não 'Aleixo'; 'Diaz' e não 'Dias'. E se você é branco e tem ascendência européia, não é considerado brasileiro. É um europeu que, por acaso, nasceu no Brasil. Daí, vale a lei do sangue." No período em que ela morou na Espanha, entre 1996 e 1999, a imprensa espanhola publicou casos de uma brasileira estuprada pelos policiais da imigração e de um brasileiro que não agüentou a pressão da investigação para entrar no país --que já durava dois ou três dias-- e se enforcou, no aeroporto.

10 março, 2008

Mostrando o Baixão

É muito raro acontecer algo do tipo. Então não dê bobeira e compareça à MOSTRA DE CONTRABAIXO ACÚSTICO E SEUS NOVOS CAMINHOS que estará acontecendo no SESC Pompéia neste final de semana,
com vários workshops:
  • Ensino para Crianças e Deficientes Visuais/ Lançamento do Método em Braile
  • História do Contrabaixo e Exposição Anatomia do Contrabaixo
  • Introdução à Escrita Braille e Musicografia Braille
  • O Contrabaixo Acústico no Samba
  • Contabaixo Acústico e suas raízes: Violas da Gamba
  • Ensaio Aberto com Ricardo Zohyo e Quarteto Espelho da Alma
  • O Contrabaixo e a Linguagem Contemporânea de Música Popular

e shows:

dia 15/03
Orquestra de Contrabaixos Tropical e Duo Tibô Delor & Rafael dos Santos
dia 16/03
Quarteto Espelho da Alma & Ricardo Zohyo e Duo Zé Alexandre Carvalho & Aléxis Bittencourt
informações e confirmações: