08 abril, 2011

Duas sacolas de plástico para as cervejas


Certas coisas tomam desdobramentos estranhos
parecem labirintos
sem nenhuma migalha de pão
para marcar o caminho

Ariadne e Teseu
nunca se perderiam em Santo Amaro
ela é o novelo
e sua presença destoa e ilumina

Dédalo aqui se sentiria em casa
ladeiras e bifurcações
boates e igrejas
ambulantes no metrô

daqui do quarto andar
ninguém se esbarra
uma piscadela
e ela não está mais lá



2 comentários:

Biiah Vieira disse...

troquemos as cervejas por vodkas ;)

Cícero Barbosa disse...

tim-tim!