23 maio, 2013

A equilibrista


Sem rede de proteção
ela sonha
e eu sonho junto
comendo minha pipoca e olhando pro alto

um dia ela caiu
ficou tetraplégica 
o seu namorado, que sempre a acompanhava
esses dias a pediu em casamento

ela disse não
que gostaria de dançar
conhecer o mundo
aprender finalmente a cozinhar 

ele insistiu
ela arriscou
hoje eles podem ser vistos gritando 
no "slack line" lá em cima do edifício


2 comentários:

Danilo Moreira disse...

Sonhar e manter o equilíbrio diante dos tombos - os que a gente toma, e os que as pessoas insistem em nos jogar, como um destino incerto - é difícil. Mas que graça teria a vida se todos ficassem estáticos com medo dos riscos, não?

Ótimo poema!

Abçs!
http://blogpontotres.blogspot.com.br/


Matheuslaville disse...

O seu poema tem muitos significados, falou curto ,porem falou tudo.